O Manual de Programação, Design e Escrita para Iniciantes.

História do computador: tudo que você precisa saber

Você já quis saber sobre a história do computador ou se perguntou quem foi que o inventou? Eu sei que você já deve ter ouvido falar do ENIAC no fim da Segunda Guerra, mas você sabe quais foram os cientistas e inventores que colaboraram para a criação do computador e como foi essa trajetória de pesquisa?

Pois bem, nesse post você vai descobrir como foi desenvolvido o computador, quem foram seus idealizadores e como eram as primeiras máquinas inventadas.

História do computador: Surgimento do ábaco

Muito antes de descobrir a engenhosidade da roda, a humanidade inventou o seu primeiro computador: o ábaco.

Ábaco deriva do babilônico abaq que significa . De acordo com o livro “Turing e o Computador em 90 minutos”, de Paul Strathern, os cálculos nos princípios do tempo eram feitos no pó/poeira e por isso, o pó se tornou o nome de qualquer tipo de cálculo.

Contudo, diferentemente do computador que realiza os cálculos sozinho mediante um programa ou codificação específica, o ábaco não calculava sozinho. Portanto, cabia mais como uma ferramenta do que como um computador. 

Entretanto, foi incansavelmente utilizado até a idade média, quando o zero foi introduzido na matemática, sendo aposentado por matemáticos, mas utilizado ainda hoje como auxílio em diversos cálculos.

Período histórico: século XVI

Sabe-se que após a invenção do ábaco, a primeira máquina de calcular foi idealizada por William Schickard, professor de hebraico da Universidade de Tubingen, em 1623.

Wilhelm Schickard – Wikipédia

Contudo, como era o único protótipo e foi destruído durante a Guerra dos Trinta Anos, não se pode discorrer sobre seu funcionamento.

Falando ainda sobre 1623, este foi o ano de nascimento de Blaise Pascal, um engenhoso matemático francês que inventou algumas máquinas de calcular, inspirado em seu pai, que era um coletor de impostos e necessitava ajudá-lo a calculá-los.

Das máquinas, sete ainda existem. Pode-se dizer que são verdadeiras obras-primas, cerceadas de técnicas mecânicas.

Após Blaise Pascal, outro contribuinte para o avanço em direção ao computador como conhecemos hoje, foi o filósofo alemão Gottfried Leibniz.

Ele inventou uma matemática binária, parecida com os 0 e 1 utilizados nos softwares. Após isso, Leibniz inventou sua própria máquina de calcular, após ter visto uma das máquinas de Pascal, em 1673.

Gottfried Wilhelm Leibniz- Wikipédia

Sua máquina, um pouco mais notável que a de Pascal, era capaz de multiplicar, dividir e realizar o cálculo de raízes quadradas.

História do computador: Origem das máquinas de calcular

Nos primeiros anos do século XIX, um técnico francês no ramo da tecelagem desenvolveu um tear bastante revolucionário para a época.

Seu nome era Joseph Marie Jacquard e sua inovação se deu por que o padrão de tecelagem que criara era controlado por cartões perfurados. O interessante é que esse método ainda é utilizado para a tecelagem de padrões completos.

Máquina de Tear – Wikipédia

O próximo grande passo em direção à criação do computador se deu com Charles Babbage, considerado como o pai do computador. 

Babbage nasceu em 1791 e detinha um talento excepcional para a matemática. Charles iniciou o desenvolvimento da Máquina de diferenças em 1823, usando rodas dentadas e operava com o sistema decimal, porém nunca fora terminada já que ele agregava mais funções à medida que descobria necessidade.

É claro que nos primeiros anos a Máquina de Diferenças tinha suas complicações e não se fazia pronta para uso.

Somente em 1827, Babbage testou a única parte que realmente funcionava de sua máquina para calcular tabelas de logaritmo de 1 a 108.000.

E é essa parte da máquina que funcionava que é considerada a primeira calculadora automática da história. Assim, os algarismos eram introduzidos e as respostas saíam impressas.

Em 1830, Charles Babbage tinha ideias para construir sua Máquina de Diferenças nº2, e é precisamente esta invenção que traçou os rumos do computador como conhecemos.

Máquina Analítica proposta por Charles Babbage – Wikipédia

Babbage em seus estudos, aplicou a técnica dos cartões perfurados de Jacquard para controlar o mecanismo de uma máquina em seu invento. Dessa forma, sua máquina de calcular seria capaz de executar qualquer tarefa aritmética por meio das instruções que estavam inseridas em cartões perfurados. 

Também teria uma memória para armazenar números, contudo seria capaz de realizar operações com esses números armazenados. Com isso, Charles Babbage descobrira os conceitos iniciais para a criação do computador contemporâneo.

Período histórico: XIX

Porém, como toda história de sucesso tem seus percalços, Babbage não teve investimento para levar adiante sua invenção e, embora tenha recebido a ajuda da talentosíssima Ada – Lady Lovelace, uma das mais exímias matemáticas do século, a escrever o primeiro algoritmo de sua máquina, não deu muito certo. E o projeto não foi adiante, assim como a máquina analítica/ de diferenças.

Após a morte de Babbage, sua máquina ficou esquecida por longos anos até ser novamente resgatada e hoje encontra-se no Museu da Ciência de Londres, e sim, ainda funciona.

Consequentemente, o grande empecilho da Máquina de Diferenças era o fato de seu sistema operar em matemática decimal. Entretanto, esse problema seria resolvido por George Boole.

George Boole – Wikipédia

Pode-se dizer que em 1854, Boole publicou sua “Investigação das leis do pensamento”, que trouxe o conceito do que conhecemos hoje como a álgebra booleana ( true / false).

Em seu artigo, George Boole ressaltou que a lógica deveria ser como uma forma de matemática e não como uma filosofia. 

Baseando-se em axiomas simples, assim como a aritmética tem funções essenciais como adição e multiplicação, a lógica pode ser reduzida a operadores como “e”, “ou” e “não”.

Desse modo, esses operadores podem trabalhar de forma binária, ou seja, o “true” ou o “false” da lógica podem ser reduzidos aos 0 e 1 do sistema binário.

Portanto, esse sistema lógico poderia ser posto em uma tira de papel em que a álgebra binária fosse reduzida a uma sequência de buracos (Paul Strathern, 2000).

Com isso, por meio dos dígitos binários as máquinas podiam seguir instruções lógicas e sua matemática era perfeitamente adaptada ao circuito elétrico.

Contudo, apesar das descobertas dos brilhantes inventores citados até agora, quem recebia grande notoriedade nessa época era um estatístico americano chamado Herman Hollerith.

história do computador
Herman Hollerith – Wikipédia

Ele desenvolveu uma máquina de censo que lia cartões com até 288 buracos, permitindo também armazenar informação. 

Um fato interessante é que quando os Estados Unidos utilizaram a máquina para medir o censo de 1890, o seu tempo de processamento dos dados foi de incríveis seis semanas, visto que anteriormente levava-se cerca de três anos para analisar os dados.

E assim em 1896 Hollerith entrou para o mundo dos negócios ao criar a Tabulating Machine Company, que um tempo depois passou a se chamar International Business Machine Corporation (IBM). (Paul Strathern, 2000)

É possível perceber que a história do computador em si não foi escrita e protagonizada por um único personagem.

Foram muitas descobertas, vários inventos de pouca notoriedade, vários pesquisadores e cientistas que se dedicaram a isso, mesmo sem saber.

Agora, o que faltava nesse ponto da história, era de alguém que pudesse juntar os fragmentos descobertos e organizá-los de forma a introduzir o princípio do computador contemporâneo.

História do computador: Alan Turing

história do computador
Alan Turing – Wikipédia

Não. Ele não nasceu um gênio. Assim como Einstein, ele teve dificuldades severas na infância e nem de longe era um aluno notável na escola.

Isso quebra um pouco do mito de que alguém que fez algo revolucionário já nasceu com o dom ou coisa do tipo. É claro que existem pessoas que nascem com talentos para diversas áreas, mas o fato é que isso não é regra para se construir algo na sociedade.

Assim, Alan Turing nasceu em Londres em 1912. Seus pais foram embora para a Índia deixando ele e seu irmão sob os cuidados de um coronel e sua mulher.

Era um costume normal para a época, porém provocou grandes consequências na personalidade de Turing. Desse modo ele se tornou gago, introspectivo e um tipo de associal, ou seja, ele fazia o que tinha vontade, porém dentro dos limites do que  a sociedade considerava como certo e errado. 

Como esse artigo não trata especificamente da biografia de Turing, vamos resumir um pouco a sua história e adiantar para o ano de 1939 quando a guerra contra a Alemanha foi decretada e Alan foi designado para o serviço de espionagem. 

Naquela época Turing já cursara seu doutorado e era um matemático extremamente habilidoso e respeitável. Contudo suas habilidades sociais extinguiram-se com o aumento drástico de sua gagueira e sua personalidade anti-social. 

Com os rumos da guerra, Turing e sua equipe tinham uma missão bastante problemática nas mãos: decifrar um número considerável de mensagens que partiam da máquina Enigma, codificadas, sob quaisquer combinações, padrões ou possibilidades a fim de encontrar algo que fizesse sentido.

Máquina Enigma – Wikipédia

O sistema de codificação dessa máquina era composto por duas máquinas. A máquina emissora era fixada numa chave e a mensagem não codificada era introduzida nela por simples datilografia (Paul Strathern, 2000).

Dessa forma, a mensagem era automaticamente embaralhada por três braços rotores elétricos, que eram ajustados de acordo com a chave, e em seguida transmitida.

Com isso, os rotores que giravam de maneira independente, permitiam bilhões de permutações, fazendo com que o inimigo ao detectar a transmissão embaralhada se visse diante da impossibilidade de decifrar o código.

E como se não fosse o bastante tudo isso, a chave era alterada três vezes ao dia e milhares de mensagens eram enviadas a cada 24 horas.

Para Alan, a solução diante desse colossal empecilho era criar de fato uma máquina de Turing.

E assim foi construído o Colossus e posteriormente suas dez versões devido a tamanha complexidade do seu trabalho.

O Colossus começou a ser utilizado em dezembro de 1943. Não tinha um programa armazenado em si, mas executava funções semelhantes às de um computador e é considerada a máquina precursora do computador digital eletromagnético.

história do computador
Colossus – Wikipédia

No início, a capacidade de processamento do Colossus era de escanear 25.000 caracteres por segundo, fazendo com que Turing e sua equipe demorassem vários dias para decifrar as mensagens.

Entretanto, com o tempo, conseguiram reduzir para apenas algumas horas o tempo de decodificação e ajudaram a salvar alguns navios aliados do poder de fogo dos submarinos alemães.

Nesse meio tempo, o departamento de engenharia da Universidade da Pensilvânia havia dado início ao desenvolvimento do ENIAC (Eletronic Numerical Integrator and Calculator) que ficaria pronto apenas depois da guerra.

história do computador
ENIAC – Wikipedia

Após o fim da Segunda Guerra, Turing se voltou para a criação de uma máquina automática de computação, conhecida como ACE (Automatic Computing Engine), que seria um protótipo de computador eletrônico digital com um programa armazenado (Paul Strathern, 2000).

Contudo, o projeto não foi para frente pois estava muito a frente de seu tempo e Turing se deparou com inúmeros problemas de engenharia e o ENIAC, que estava pronto nos Estados Unidos, ainda era inferior para o que ele estava propondo.

Assim em 1947 Alan Turing, percebendo que não estava chegando em lugar algum, se demitiu do National Physical Laboratory, onde trabalhava no ACE e voltou para Cambrigde, a que se dedicou ao estudo teórico do computador.

Por exemplo, a ideia central de Turing era que máquinas eram capazes de aprender. Ou seja, uma máquina podia ser ensinada a aperfeiçoar seu próprio comportamento até o nível em que exibiria inteligência (Paul Strathern, 2000).

Foi apenas em 1948, quando Turing havia se tornado o vice-diretor do laboratório de computação da Universidade de Manchester, que o primeiro computador eletrônico com programa armazenado funcionou: o MADAM (Manchester Automatic Digital Machine).

Ele foi utilizado pela primeira vez em 21 de junto de 1948 para decompor um número em seus fatores primos. E assim termina a história do computador como conhecemos atualmente.

Concluindo

Conhecer a história do computador é essencial para você que quer ser um profissional da área. Mais do que isso, perceber que para que ele fosse criado, foi preciso a união de inúmeras mentes brilhantes e à frente do seu tempo para reunir conhecimento necessário, nos faz pensar o quanto temos a contribuir, todos juntos.

Com isso você conheceu nesse post os principais idealistas e visionários das máquinas de calcular e como elas deram origem ao nosso computador atual.

Gostou do post ou tem alguma sugestão? Escreva nos comentários : )

Leia também

NayaraBonim

Analista e criadora de conteúdo. Formada em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Pós-graduanda em Engenharia de Software.

O que você achou do post?