Posted on: 25 de março de 2021 Posted by: NayaraBonim Comments: 0

Nesse post, você vai conhecer um pouco mais do livro com a resenha de A bruxa de Portobello. Se ainda não leu, não se preocupe, pois aqui não há detalhes suficientes para estragar sua diversão.

Informações Gerais sobre o Livro

Livro: A Bruxa de Portobello

Autor: Paulo Coelho

Nascido em 1947, no Rio de Janeiro, PAULO COELHO atuou como dramaturgo, jornalista e compositor, antes de se dedicar à literatura. É considerado um fenômeno literário, com sua obra publicada em mais de 170 países e traduzida para 84 idiomas.

Editoração: Paralela; 1ª edição (23 março 2018)

Disponível na AmazonLink aqui.

O porquê da escolha

Confesso que eu nunca li obra alguma do ilustre escritor Paulo Coelho. Por esse motivo, pensava eu, que já estava na hora de romper com essa resistência.

Escolhi a esmo o seu livro A Bruxa de Portobello, não pela capa, tampouco pesquisei sobre suas mais notáveis histórias.

Escolhi talvez, porque eu amo fantasia e contos que mexem com meu imaginário, e por isso, meu inconsciente tenha decidido o título da obra por mim.

A Bruxa de Portobello: primeira impressão

 

A bruxa de Portobello
Amazon

Para começar eu não esperava uma história arrebatadora, tampouco que tivesse alguma moral para me inspirar. Mas também estava despida de críticas e julgamento.

Apenas li. Abri o livro, folheei as páginas e comecei minha leitura.

Gosto de histórias que tenham algum sentido para mim. Que provoquem alguma mudança em meus sentimentos ou me façam pensar de uma forma totalmente diferente do que estava habituada.

Prefiro histórias enriquecedoras, que me ensinem, que sejam meus mestres. Contudo, sabia eu, que esta não seria uma dessas histórias, e por isso, A Bruxa de Portobello não seria um livro que eu leria novamente.

Considero mais como um passatempo, uma leitura trivial para preencher o tempo ocioso que temos. Não estou, de forma alguma, menosprezando a grande obra do autor.

É só que, a história de Athena, ou Sherine, como fora batizada, não me despertou o que eu procuro dos livros. Mas talvez o livro seja perfeito para você.

Quem sabe, com você, o autor consiga estabelecer uma conexão mais profunda? Nesse caso, só saberemos se você ler.

Eu acredito que todas as obras deveriam ser lidas pelo menos uma vez. Todo escritor merece a chance de ser ouvido.

A Bruxa de Portobelo é uma história um pouco confusa para mim.

Eu gostaria que as partes que me despertaram interesse fossem mais exploradas, como por exemplo, a cultura cigana, como é a rotina desse povo, quais são seus costumes, suas regras, o que eles pensam da sociedade que os cercam, como eles gostariam que fossem tratados, quais os seus medos, etc.

Houve também um pouco do universo árabe entre as muitas viagens de Athena, que poderia ter sido mais detalhado, como a arte da caligrafia, a qual se dedicou com o mestre Nabil Alaihi a fim de preencher seus espaços em branco.

Gostaria de saber mais a respeito desse mestre, de conhecer na verdade, mais de sua história e é claro da cultura do seu povo.

Desenrolar da história: o suspense

Mas, retomando ao início, pensei que talvez a Bruxa de Portobello fosse ser algo como Carrie, A Estranha, por causa das primeiras páginas.

Achei muito interessante a forma como o livro começou, em forma de depoimentos pessoais a respeito da protagonista.

E logo de cara, já me é informado que algo terrível lhe aconteceu. É claro que prendeu a atenção. Eu assistia Scooby-Doo quando era criança e lia Agatha Christie quando adolescente.

De seriados policiais a TV está cheia. É muito óbvio que prende a nossa atenção, pois queremos saber o que aconteceu, como e quando. Mexe com nossa curiosidade intrínseca. Então fui adiante.

Os personagens foram apresentados e todos descreviam uma Athena que queria ser santa. Movida por fortes desejos internos, desde pequena consegue persuadir os outros à sua vontade.

E assim ela acaba com um filho nos braços, aos 19. Se separa, rompe com a Igreja e tenta seguir o seu caminho de encontro com Deus/Deusa, em solitude.

Ao longo da sua jornada ela conhece alguns mestres, entre eles uma médica, que tentam lhe ensinar suas artes. Contudo, Athena, imprevisível, agitada e um ser humano de beleza e carisma únicos, tende a encontrar a sua arte por si só.

Como disse, a história é contada em forma de depoimentos. E conhecemos a personagem por meio de como os outros personagens a enxergavam.

Foi uma brilhante ideia do autor e gostei muito. A leitura é fluída e não emperrei nem desanimei ao longo das páginas. Ou seja, é uma história que prende a atenção.

Leia também

A Bruxa de Portobello: seu brilhante fim

Ao avançar, você quer descobrir o que aconteceu com Athena.

E você descobre. No fim do livro. Literalmente.

Admito que as três últimas páginas foram as que mais gostei. Me surpreendeu de uma forma que permaneci alguns minutos debruçada no livro, só pensando naquele final.

Se me perguntar o que eu mais gostei no livro foi o fim. Não porque ele acabou, mas como ele terminou.

Certamente que não gostei do final dado para Athena. Achei forçado demais. Mas gostei da forma que o autor nos revelou o que havia acontecido de fato.

Eu tinha algumas suposições e nenhuma delas aconteceu ali. Isso me surpreendeu.

Por fim, é uma leitura que vale a pena ler ao menos uma vez na vida. E como eu disse, pode ser que você goste muito mais da história do que eu.

Gostos são nossos, são subjetivos, são pessoais e traduzem quem somos. Assim, dê uma chance, e depois conte nos comentários o que você achou da história.

 

O que você achou do post?